Mantecorp

  • Artigos
  • Perguntas Frequentes
  • Folhetos Explicativos
  • Notícias
  • Dicionário Médico
  • Web Aula

Últimos artigos

Por palavra chave:

Por data:

 

Doença de Crohn


1/2/2007 Doença de Crohn e Câncer - Existe relação?


Doença de Crohn e Câncer - Existe relação?

Os pacientes com doença inflamatória intestinal devem se preocupar com câncer de intestino?

Parece que sim. Alguns estudos mostram que os portadores de doença inflamatória intestinal apresentam um risco cinco vezes maior que o da população geral de desenvolver câncer de intestino. No entanto, a maior probabilidade é que esses pacientes, na realidade, não desenvolvam câncer. Sabe-se que mais de 90% dos pacientes portadores de doença inflamatória intestinal nunca desenvolvem câncer de intestino.

Até pouco tempo atrás, acreditava-se que os pacientes, com colite ulcerativa, eram os que estavam em maior risco de desenvolver câncer de intestino. No entanto, estudos mais recentes mostram que os portadores de doença de Crohn também apresentam risco aumentado. Além disso, se o paciente apresenta história familiar de câncer de cólon, o risco aumenta ainda mais.

No caso da colite ulcerativa, dois fatores principais estão envolvidos no risco aumentado de câncer de cólon: a duração da doença; e a extensão do acometimento intestinal pela mesma. O risco de câncer de cólon não está aumentado, até que o paciente complete de oito a dez anos após o início da doença. Os pacientes com envolvimento de todo o cólon estão sob risco particularmente maior; já os pacientes com acometimento inflamatório apenas do reto apresentam o menor risco. Os pacientes com envolvimento parcial do intestino grosso apresentam um risco intermediário.

Os fatores, em relação à doença de Crohn, parecem ser os mesmos, porém ainda não foram estudados adequadamente.

Atualmente, qual o risco?

Enquanto as estatísticas variam, é geralmente percebido que o risco de desenvolvimento de câncer de cólon, por pacientes com colite ulcerativa há mais de 10 anos, aumenta a uma taxa de 0,5% ao ano. No caso da doença de Crohn acometendo o cólon, as estatísticas parecem ser semelhantes.

Infelizmente, mesmo que a doença esteja em remissão e o paciente apresente sintomas apenas raramente, o risco de câncer de cólon continua o mesmo. O risco desse tipo de câncer, parece poder ser aplicável tanto à doença ativa quanto à inativa. A extensão do envolvimento do intestino grosso e a duração da doença (desde o início da mesma) parecem ser fatores bem importantes, não dependendo da quantidade de inflamação.

Os medicamentos usados no tratamento da doença de Crohn aumentam o risco de câncer?

A resposta é não. A sulfasalazina, os corticosteróides, antibióticos, imunossupressores, antidiarréicos e antiespasmódicos têm sido usados há anos, no tratamento de várias doenças, e nenhuma associação convincente foi encontrada em relação ao risco de desenvolvimento futuro de câncer. Alguns especialistas acreditam que o uso dessas medicações pode, na verdade, reduzir o risco de desenvolvimento de câncer de intestino grosso.

Quais exames devem ser realizados?

É recomendável consultar seu gastroenterologista para realização de um ?check up?, uma vez por ano, mesmo se você estiver se sentindo bem. É claro que qualquer mudança no padrão dos seus sintomas deve levar você a consultá-lo fora do período planejado. Sintomas como diarréia e sangramento pelo reto, os quais podem ser sinais precoces de câncer de intestino grosso, na população geral, são difíceis de ser avaliados em pacientes com doença inflamatória intestinal, porque esses sintomas podem representar, também um episódio de exacerbação da doença.

Quando você for à sua consulta anual, seu médico realizará uma entrevista completa, procurando obter o máximo de dados possível a respeito dos seus sintomas e do impacto dos mesmos na sua vida. O exame físico é o próximo passo, que pode incluir um exame de toque retal. Nos casos de pacientes com diagnóstico de colite há mais de oito a dez anos, provavelmente será solicitada colonoscopia, com realização de biopsias.

A realização de biopsia significa que a pessoa tem câncer?

Não. A biopsia consiste na obtenção de uma pequena amostra da mucosa do cólon, a qual é posteriormente analisada em microscópio, por um patologista. A biopsia é indolor e não aumenta os riscos já associados à realização de colonoscopia. Esse exame também ajudará a determinar o quanto de colite você tem, o grau de atividade da mesma e se ocorreram algumas mudanças bruscas, em direção ao câncer.

O que são pólipos e qual seu significado?

Pólipos são protuberâncias que se formam, geralmente, na superfície lisa da mucosa do cólon. Na colite, esses pólipos podem estar inchados, inflamados, situação na qual são denominados pseudopólipos. Pacientes com psudopólipos não apresentam risco aumentado de câncer, quando comparados aos pacientes sem pólipos. Ocasionalmente, no entanto, os pólipos podem conter tecidos com displasia ou câncer.

E a displasia?

Displasia é um termo definido pelos patologistas, que se especializam em análises microscópicas de amostras de tecidos orgânicos. A displasia é um padrão celular que não é normal e nem característico de câncer. Displasia é sub-classificada como ?intermediária?, ?de baixo risco? e de ?alto risco?, dependendo do aspecto ao microscópio.

Se eu tiver displasia quer dizer que eu tenho câncer?

Não necessariamente. A displasia está longe de ser um preditor perfeito da presença ou do desenvolvimento subseqüente de câncer. Esse é um assunto que ainda gera muito debate entre os especialistas, bem como várias pesquisas. A maior preocupação é com as displasias de alto grau. Muitos especialistas consideram a displasia dita de alto grau como uma lesão pré-cancerosa, recomendando cirurgia no tratamento desses pacientes.

Nos casos de displasia indeterminada ou de baixo grau, as incertezas são ainda maiores, bem como com relação à sua importância enquanto marcadores ou precursores de câncer. A displasia pode, às vezes, ser difícil de demonstrar. Assim, os médicos frequentemente solicitam que um patologista mais experiente faça a revisão das biopsias que demonstraram a presença de displasia, com o objetivo de confirmar sua presença. Dos pacientes submetidos a cirurgia devido a displasia, menos de 50% apresentam diagnóstico de câncer de cólon. Uma coisa importante a se lembrar é que a displasia não é igual a câncer, embora seu achado faça com que fiquemos mais vigilantes.

Com que freqüência deve ser realizada a colonoscopia?

Muitos gastroenterologistas recomendam que a colonoscopia seja repetida a cada um ou dois anos, dependendo de quanto tempo a pessoa apresentou colite, bem como da extensão do acometimento intestinal pela doença.

 


11 comentários

quinta-feira 29/9/2011 11h58 - Bel Dantas

Estou mt preocupada, pois diz uma colonoscopia e o resultado da biopsia foi Adenoma tubuviloso Displasia moderada e baixo grau. Foi devidadamente retirado e foi sugerido um controte anual.

quinta-feira 29/9/2011 11h53 - Bel Dantas

Estou mt preocupada, pois diz uma colonoscopia e o resultado da biopsia foi Adenoma tubuviloso Displasia moderada e baixo grau. Foi devidadamente retirado e foi sugerido um controte anual.

quinta-feira 29/9/2011 11h48 - Bel Dantas

Estou mt preocupada, pois diz uma colonoscopia e o resultado da biopsia foi Adenoma tubuviloso Displasia moderada e baixo grau. Foi devidadamente retirado e foi sugerido um controte anual? Devo me pre

segunda-feira 21/3/2011 16h52 - vera souza

quero saber se melanose coli é um cancer/

terça-feira 17/8/2010 19h25 - ivanete

GOSTARIA DE SABER QUANDO O RESULTADO DA BIOPSIA DA DISPLASIA ALTA É GRAVE POIS JA FOI TIRADO 4 POLIPOS. OBRIGADO.

segunda-feira 17/5/2010 9h31 - alvani santos

fiz o exame de colonodcopia e deu melanose coli e fiz a biopsianao deu nada serio mas agora estou sangrandoesta muito doendo e esta me encomodando muito gostaria de saber setenho que fazer outro exame

quarta-feira 20/1/2010 22h13 - audevacy

fiz uma colonoscopia .o resultado deu pseudopólipos em colon,gostaria mas de enformaçao .tomo mesalazina a 10 anos.sou alergica a sufa.onde se descobriu a doença ,apos 15 dias de resguardo.

quarta-feira 10/6/2009 6h45 - luisa

gostaria que me fala sem quais as complicacações visto que não tenho sintomas fiz o rastreio k a medica de familia mandou-me fazer mas estou muito nervosa vou fazer outro exame no dia 4.juljá 9 meses

quarta-feira 10/6/2009 6h38 - luisa

fiz um exame colonodcopia e tinha um micropolipo fiz a biopsia conclusão foi displasia de baixo grau e fala em melanose coli.gostaria que me esclarece se pois o meu pai faleceu aos 39 anos c temor int

quarta-feira 29/4/2009 23h7 - Helano Batista de souza

Fiz um exame de colonodcopia e uma biopsia. Conclusão: Pólipo inflamatório, afinal não sei o que é isso e até que ponto pode me prejudicar. Estou muito ansioso para mostrar ao médico...

segunda-feira 24/11/2008 22h20 - lilian stella amaral

fiz uma biopsia e o resultado foi adenoma vilosoem reto associado a displasia de baixo grau. gostaria de uma opiniao.

 

Comente você também!

  * Nome:  
  * E-mail:  
  * Sua mensagem: